26 dezembro 2009

16 dezembro 2009

A época dos cogumelos

Cogumelo
Um minúsculo mas lindíssimo cogumelo

Nesta época do ano, basta sairmos de casa para encontrarmos cogumelos. Por vezes, quanto mais vistosos mais perigosos, se os ingerirmos.

Na minha última caminhada, para além de muitos outros, encontrei estes dois, de tamanho bem diferente, mas que me prenderam a atenção pela mesma razão: as suas cores.

Não sou entendido no assunto, mas por nada comeria qualquer deles. O segundo - corrijam-me se estou errado - parece ser um amanita com características alucinogéneas...

Cogumelo

05 dezembro 2009

Campos de golf e cogumelos

Cogumelos num campo de golf algarvio
No inverno, os campos de golf algarvios "produzem" cogumelos...

No Algarve, os campos de golf abundam. Para dizer a verdade, são já uma espécie de praga. Não se andam meia-dúzia de quilómetros que não encontremos um em qualquer sítio.

Se vai haver água suficiente para os manter e satisfazer o consumo público em simultâneo, isso já é um problema dos nossos descendentes. Porque nós "lavamos" daí as nossas mãos...

E, já agora, uma sugestão:

Por que não transformá-los, no inverno, em campos de produção de cogumelos?...

Talvez este, no Barlavento, seja pioneiro da ideia...

Cogumelos num campo de golf algarvio

24 novembro 2009

Medronhos de rara qualidade

Medronhos de Monchique
Medronhos de qualidade e cor invulgares...

Já que estamos na época da apanha do medronho, aqui deixo uma das muitas fotografias que tirei nas minhas incursões pelos medronheiros adentro.

Seleccionei-a pela rara qualidade dos frutos e suas cores a condizer.

28 outubro 2009

'Marcas do Tempo' - 5ª Corrida Fotográfica de Monchique

Apanha da castanha - Monchique
"Marcas do Tempo"...

O Júri da 5ª Corrida Fotográfica de Monchique, realizada em 12 de Setembro de 2009, atribuiu o 1º prémio do tema "Marcas do Tempo" a esta fotografia.

Obrigado.

20 outubro 2009

Pôr-do-sol na Praia da Amoreira

Pôr-do-sol na Praia da Amoreira - Aljezur
O pôr-do-sol é sempre um espectáculo a não perder.

A Praia da Amoreira, no nosso vizinho concelho de Aljezur, é uma das preferidas de alguns de nós. Com toda a razão.

Para além da sua beleza natural, das suas águas límpidas e da sua localização fora do bulício da costa sul do Algarve, pode-se retardar o regresso a casa e disfrutar dum pôr-do-sol magnífico seguido dum crepúsculo indescritível.

Foi o que fiz numa tarde destas, já de Outono, mas ainda com temperaturas que desafiam o Verão recentemente terminado.

Pôr-do-sol na Praia da Amoreira - Aljezur
Nada melhor para descontrair do que assistir ao pôr-do-sol na Praia da Amoreira.

26 setembro 2009

A Borboleta Cauda de Andorinha (papilio machaon)

Borboleta Cauda de Andorinha (papilio machaon)
A borboleta cauda-de-andorinha é uma das mais vistosas.

A borboleta cauda-de-andorinha (papilio machaon) não é das mais frequentes mas é, seguramente, uma das mais vistosas que por cá aparecem.

Nos últimos dias deste Verão, apesar das flores já não abundarem, esta ainda esvoaçava pela encosta norte da Fóia aproveitando um dia de grande luminusidade e muito calor.

10 agosto 2009

O escaravelho da batateira

Escaravelho da batateira (leptinotarsa decemlineata)
O escaravelho da batateira tem um apetite voraz. Come de noite e de dia.

O escaravelho da batateira (Leptinotarsa decemlineata), na sua fase larvar, é o arqui-inimigo do produtor de batatas.

Nos batatais que não sejam 'tratados' com o pesticida adequado, aparecem aos milhares e consomem todas as partes verdes da batateira, dum dia para o outro, no seu voraz apetite de 24 horas por dia.

À distância, parecem pequenos morangos maduros, mas, ao perto, têm este aspecto até se transformarem naqueles vistosos besouros amarelos com listas pretas que, em pouco tempo e enquanto houver batateiras verdes, irão dar origem a uma nova geração....

Escaravelho da batateira (leptinotarsa decemlineata)
Os besouros acasalam e começam a pôr ovos na face inferior das folhas da batateira.

04 agosto 2009

As amoras silvestres

Amoras silvestres
No Verão, as amoras silvestres surgem aos cachos por todo o lado.

A silva, um arbusto que tantas vezes nos importuna com os seus picos, também nos brinda com um fruto interessante.

Não tem grande utilidade nem é muito apreciado, mas não deixa de ser agradável olhar para um silvado, no rigor do verão, e observar quão bonita esta planta é, carregada com os seus frutos que produz em grande quantidade.

De facto, os agricultores tradicionais costumavam dizer que para algumas plantas infestantes não havia mau tempo. Esta era uma delas.

Na minha juventude, havia o hábito de comermos estas amoras, mais por graça do que pelos seus atributos. E sabiam bem...

Amoras silvestres
Embora se assemelhem ao fruto da amoreira, nada têm a ver com ela.

20 julho 2009

Pôr-do-sol na Ria de Alvor

Pôr-do-sol com flamingo
Ao solposto, por vezes, veêm-se flamingos na Ria de Alvor.

Há um bando de flamingos - reduzido, diga-se - que costuma aparecer pela Ria de Alvor.

No fim de tarde dum dia solarengo, parei por uns momentos observando-os a tomarem a última refeição do dia, até que este decidiu levantar voo, sòzinho, e seguir uma rota frontal ao sol que se escondia por detrás dos arbustos.

15 julho 2009

A Mesquita de Córdoba

Mesquita/Catedral de Córdoba
Interior da Mesquita/Catedral de Córdoba.

A Mesquita de Córdoba, com mais de mil anos de existência, - transformada em Catedral Católica desde a conquista da cidade pelos cristãos, no século XIII - é uma das obras mais significativas da arquitectura árabe na Península Ibérica.

Chegou a ser a terceira maior mesquita do mundo, sendo superada apenas pelas de Meca e de Casablanca. Nesses tempos, Córdoba era considerada a cidade mais próspera da Europa.

Certamente já todos a visitaram, mas nunca é de mais realçar a sua grandiosidade e beleza, e expressar a admiração que sinto por tão doutos engenheiros e arquitectos de antigamente.

Torre da Mesquita/Catedral de Córdoba
A torre da Mesquita/Catedral de Córdoba por entre as plantas do seu jardim.

01 julho 2009

Um ninho de melro

Ninho de melro
Na Primavera, os melros fazem ninhos até à nossa porta...

Os melros nidificam em todo o lado, até mesmo à nossa porta em qualquer planta que lhes agrade para o efeito. Não é o caso deste ninho, que encontrei num bosque, bem longe do mundo citadino, em cima duma pequena oliveira, a não mais de dois metros de altura.

Para além do canto melodioso, das penas pretas brilhantes e do bico amarelo do macho, na época de reprodução, outra coisa que sempre me cativou nesta ave tão abundante no campo e na cidade são os seus ovos, que a fêmea põe num ninho bem arquitectado, embora não tão confortável como o de outras pequenas aves.

A sua tonalidade de azul é algo que me encanta.

23 junho 2009

O Noitibó (Caprimulgus europaeus e caprimulgus ruficollis)

Noitibó
O Noitibó é uma ave nocturna que poucos conhecem

Há por cá duas variedades de Noitibó. Um é o europeu ou cinzento, o outro é o de nuca vermelha. Dizem que são muito parecidos. Não sei se estão representados nestas duas fotografias.

O que sei é que são aves nocturnas que se alimentam de insectos que apanham em vôo - repare no tamanho desproporcionado da boca e nos "bigodes" à sua volta que lhes facilitam essa actividade... - e que o seu canto é um pouco estranho, fazendo lembrar a vibração dos ralos em noites de calor ou mesmo o coaxar das rãs.

O seu nome científico - caprimulgus - terá a ver som a crença dos antigos de que ordenhava as cabras durante a noite e o seu mimetismo é do mais perfeito que se possa imaginar. De dia, é quase impossível descobri-los.

Põem os ovos directamente no chão, numa pequena cova, sem fazer ninho e há quem diga, por desconhecimento, que os transportam entre as patas quando voam..

Noitibó
O Noitibó pode ver-se no campo nas noites de verão

01 junho 2009

Portimão Air Festival 2009

Portimão Air Festival 2009
Os "Asas de Portugal" no Portimão Air Festival.

Um festival aéreo proporciona-nos sempre grande variedade de imagens espectaculares. O Portimão Air Festival de 2009 não foi excepção. Por vezes, a dificuldade está na escolha...

Se quiser ver mais algumas fotografias deste evento, visite: Slideshow Picasa do 2º Festival Aéreo de Portimão - 2009 ou Galeria Refóias do 2º Festival Aéreo de Portimão - 2009

25 maio 2009

Um gafanhoto invulgar

Gafanhoto

Um gafanhoto estranho. No mínimo...

Podem-no achar feio, repugnante ou até mesmo assustador, mas o que lhes posso garantir é que se trata duma criatura amistosa, delicada e quase indefesa que, certamente, camufla esses atributos com esta máscara aterradora.

Mas não deixa de ser um gafanhoto invulgar...

20 maio 2009

Flores e insectos

Flor e insecto
Flor de Primavera e o seu polenizador

Na Primavera, podemos facilmente observar a cooperação entre flores e insectos. Poder-se-ia dizer que há uma interessante simbiose em que as flores fornecem o alimento e os insectos prestam os serviços.

E todos procuram caprichar no seu colorido como forma de atracção. Neste caso, ambos são vistosos q.b.

15 maio 2009

O Farol Fantasma dos Capelinhos

Vulcão dos Capelinhos - Faial - Açores
O Farol e o Vulcão dos Capelinhos.

Este farol assistiu aos acontecimentos de 1957/1958, anos em que o Vulcão dos Capelinhos esteve em actividade, pondo em polvorosa a Ilha do Faial, nos Açores.

Para além de neutralizar o farol, engolir os dois ilhéus dos Capelinhos e acrescentar aqueles dois morros à ilha, destruíu grande quantidade de casas de habitação e campos agrícolas nas redondezas e provocou o êxodo de mais de metade da população da Ilha do Faial que, na altura, tinha cerca de 30.000 habitantes.

Milagrosamente, não houve vítimas mortais.

06 maio 2009

A Lagartixa Ibérica (podarcis hispanica)

Lagartixa ibérica (podarcis hispanica)
Lagartixa ibérica, um réptil vulgar, mas lindíssimo.

Na primavera e verão, assim que o sol aparece e aquece o solo, é frequente saltar-nos qualquer coisa quase debaixo dos pés e esconder-se numa toca da pedra mais próxima ou em qualquer outro buraco onde se sinta protegida.

É, muitas vezes, uma lagartixa ibérica (podarcis hispanica) que, por se deslocar a grande velocidade, ser relativamente pequena e, em alguns casos, também por ser réptil, não temos oportunidade de apreciar devidamente.

Aqui deixo este lindíssimo exemplar que posou para a fotografia com toda a naturalidade.

28 abril 2009

O Bufo-Real

Bufo Real
Bufo-Real, o maior de todos os mochos

No Badoca Safari Park, Vila Nova de Santo André, entre muitos outros animais, podemos observar algumas rapaces.

Na sua apresentação ao público, para mim, sobressai o Bufo-Real, o maior de todos os mochos.

De grande envergadura e com um voo silencioso, elegante e extremamente eficaz, é impressionante vê-lo evoluir entre os puleiros e o seu tratador.

Bufo Real
O Bufo-Real voa com enorme elegância e eficiência

15 março 2009

O vistoso lagarto-de-água (lacerta schreiberi)

Lagarto-de-água em Monchique (lacerta schreiberi)
Lagarto-de-água (lacerta schreiberi), uma espécie ameaçada em Portugal

O lagarto-de-água, um dos mais bonitos lagartos que por cá andam, tem a sua população em risco. Na verdade, no Algarve, é apenas conhecido na Serra de Monchique.

Este exemplar vive na encosta norte da Picota, numa zona bastante fria e húmida, à beira duma nascente de água e dum chafariz.

Se encontrar algum dos seus parentes, proteja-o. É um animal lindo, indefeso e útil ao homem. Alimenta-se sómente de insectos e outros pequenos invertebrados.

13 março 2009

O agreste botão do cardo

O botão do cardo
Deste botão nasce a flor do cardo

Muito frequentemente, é das plantas mais agrestes que surgem as flores mais bonitas.

Neste caso, o botão do cardo, ainda por abrir e mostrar a lindíssima flor que esconde no seu interior, já exala uma rude beleza.

07 março 2009

Um Escuteiro no Navete

Um Escuteiro no Navete - Monchique
Um Escuteiro nas alturas do Navete

Um Escuteiro, de mapa na mão, manifesta o seu sentimento de vitória subindo a uma rocha quase no cimo do Cerro do Navete.

Após uma subida íngreme desde o Barranco do Banho, Caldas de Monchique, quem não se sentiria assim liberto ao atingir um ponto alto na sua caminhada para a Vila...

25 fevereiro 2009

A Processionária

Processionário ou lagarta do pinheiro

Processionária do pinheiro.

A processionária ou lagarta do pinheiro, na sua fase larvar, apresenta-se assim: tão bonita quanto perigosa.

Nesta época do ano saem, às dezenas ou mesmo centenas, dos ninhos de teia presos nos ramos de pinheiro e dirigem-se em procissão para o chão à procura dum local adequado onde se escondam agrupadas em monte, tapadas por caruma, folhas secas e terra, para passar à fase seguinte.

O contacto com os seus pelos provoca alergias graves aos humanos e outros animais que, no caso dos cães, chega a levar à morte, por asfixia, devido ao inchaço da língua e vias respiratórias.

Portanto, muito cuidado com os pinheiros no final do inverno...

23 fevereiro 2009

Meu lírio roxo do campo...

Lírio roxo
Em Fevereiro os lírios já florescem.

A Primavera está a um mês de distância, grandes manchas de verde surgem pelos campos, muitas plantas acordam da sua letargia invernal.
Porém, os lírios já florescem...

20 fevereiro 2009

A semente da tabua

A semente da tabua
Sementes de tabua voando ao sabor do vento

A tabua entrega as suas sementes ao vento para que este as leve a germinar em local distante.

17 fevereiro 2009

Malhada Velha - Esculturas naturais

Rochas da Malhada Velha - Loulé
Figuras em pedra na Malhada Velha - Loulé

No Sítio da Malhada Velha, próximo da cidade de Loulé, há um conjunto de formações rochosas cujas formas permitem à imaginação criadora do visitante transportá-lo para as mais variadas visões, sejam elas de seres humanos, animais reais ou virtuais e símbolos de natureza diversa, num misto de sonho e vivência mística.
Para os amantes de ritos exotéricos e outras crenças que a boa vontade do português castiço permite que ainda persistam neste debutante século XXI, parece ser o local ideal para sentir e carregar as energias ocultas que, supostamente, exalam com grande abundância e generosidade daquelas rochas.

Rochas da Malhada Velha - Loulé
Figuras em pedra na Malhada Velha - Loulé

No mínimo, não deixa de ser um espectáculo impressionante. Apreciar o trabalho que a mãe natureza lá fez é um excelente exercício de descontracção e fruição da beleza estética daquelas formas que, como em qualquer outra obra de arte, ficam ao critério de cada um dos visitantes.
Se quiser ver mais algumas fotografias, visite a Galeria da Malhada Velha clicando aqui.

12 fevereiro 2009

Uma garça branca

Garça branca
Uma garça branca na zona ribeirinha

Uma garça branca aproveita a baixa-mar para se passear pelos lodaçais da zona ribeirinha.
E procurar alimento, claro...

03 fevereiro 2009

Ruína algarvia

Chaminé algarvia
Chaminé algarvia no Cerro da Zorra - Tavira

No Cerro da Zorra, como em muitos outros locais do interior algarvio, podemos ainda apreciar este belo exemplar de chaminé algarvia. Numa casa abandonada, claro.

Até quando esta antiga casa em ruínas continuará a ostentar um dos símbolos dos nossos antecessores na sua acção de povoamento e sobrevivência no território rural?

Chaminé algarvia
Casa em ruínas no Cerro da Zorra - Tavira

Para além do telhado, as próprias paredes exteriores já iniciaram o processo de desmoronamento...

29 janeiro 2009

O Autódromo do Algarve

Autódromo do Algarve - Portimão
O Autódromo do Algarve visto da Fóia

O Autódromo do Algarve, construído na Pereira, zona limítrofe dos concelhos de Portimão e Monchique, é uma obra de que todos os algarvios e, em especial, os habitantes daqueles dois municípios se podem orgulhar.
Portimão está de parabéns por, mais uma vez, tomar a dianteira e se afirmar como um município de progresso e modernidade.

23 janeiro 2009

A Flor da Oliveira de Jardim

Flor da 'oliveira de jardim'
A oliveira de jardim tem uma flor interessante

A flor da oliveira de jardim, para além de uma cor atraente, apresenta órgãos reprodutores abundantes e bastante sugestivos.